The weirdest thing about Apple’s Touch Bar is that it might be really good

Finally, after so many nights, Apple showed something that might be important for the future of laptops. The Touch Bar. I haven’t written about Apple in a long time. The reason being that the past iterations of the Mac were, well, bland.  But now, I think that this hybrid approach to input in the laptop can work well and hope to see this developed into more products other than just a strip of OLED display above the numbers row.

  • Would a Touch Bar placed between the numbers row and the letters work better for practical purposes?
  • With such a large trackpad, would it be possible to have the Touch Bar technology in the trackpad and make it a secondary screen? akin to a Nintendo 3DS?
  • There is a lot of real estate on the surface of the keyboard. Between palm rests, trackpad and Touch Bar would be possible to make the entire surface a screen? BUT, please never remove the physical keyboard for text input. Well, Apple could make the individual keys mini-screens with variable input according to apps.
  • Imagine swapping the position of the keyboard with the trackpad. The keyboard would be on the edge and the trackpad near the screen. Next imagine a trackpad whose width was equal to that of the keyboard. But even better. The trackpad also was a touch screen. That would really be an amazing touch bar.

Touch Bar: the beginning of a new trend?

These are ideas that would make the MacBook Pro very expensive, but as the technology matures, prices would go down. What I like in the Touch Bar is that the door is now open to an array of possibilities that until now didn’t exist. I don’t think that this implementation of this Touch Bar is that brilliant, but it is all about the potential for the future of laptops. Let’s just hope that the Touch Bar feature becomes useful and not something like Sony’s PS Vita back touchpad.

Research has been trying to find alternatives input method for ages. Voice controlled, stenographic inputs, eye movement controlled input, etc… All very interesting on their own, but nothing until now could supplant a traditional keyboard. Maybe the combination of touchscreen and traditional keys is the way forward.

The problems of upgrading to Apple’s Mac OS Sierra

There you go again, apple releases a new OS and Dave starts bitching about how broken Sierra is. Here’s a list of things that stopped working and that I’m really upset about:

  • I use a different keyboard layout called ColemaP. A slightly optimised version of Colemak. This keyboard layout relies on the Caps Lock key being the BACKSPACE key. Thus, I used a small software called Seil. With Mac OS Sierra it STOPPED WORKING.
  • Outlines, outlines, outlines, some people can run a NASA space program with outlines. I used OmniOutliner for the past 10 years uninterruptedly. It is a great piece of software that simply made outlining easy. Now, with the upgrade to Sierra, it STOPPED WORKING and crashes every time I launch the program.
  • I use GPGTools for singing my emails and encrypting messages — You are encrypting your emails, aren’t you?. It worked great and integrated well with Mail. Guess what? It STOPPED WORKING. Sure, I can still encrypt/decrypt text manually, but the integration with Mail was so nice.
  • Occasional App crashing. It seems that now and then some app refuses to open and crashes with a message. The previous bullet points are systemic errors.  The apps STOPPED WORKING completely. Furthermore, there have been other random cases of computer fury and sadness. Well, let’s see if incremental releases make this Sierra something tamer.

In conclusion, I’m stuck using Sierra, I’m not downgrading right now, even if the Sierra problems persist. But I’m not a happy camper.

Se o arrependimento matasse: A AF-S 35mm f1.8 G é excelente

Há algum tempo disse aqui que achava que a lente AF-S DX Nikkor 35mm f1.8 G da Nikon era um mau investimento. Na altura justifiquei essa opinião comparando-a com a 35mm f2 AF-D. A verdade é que não podia estar mais enganado.

Dizer mal de uma lente nem sempre é fácil e se não metermos a mão na massa, … ou se não comermos o pão que amassamos, … BEM, chega de PADARIAS. A verdade é que comprei uma lente AF-S 35mm f1.8 G e com o passar dos meses esta lente tornou-se na tampa dos meus corpos DX. Porquê? Porque apesar de todos os defeitos que esta 35mm tem, produz resultados realmente fantásticos. Não interessa nada o terço de stop extra que possui ou a compatibilidade com os corpos FX ou mesmo a falta da indicação de distância de focagem se no final as imagens produzidas são realmente muito boas.

Todas as lentes tem uma forma diferente de “desenhar” a realidade, com maior ou menor acuidade (definição), ou com maior ou menor contraste, com diferentes curvaturas do plano de focagem—que por vezes não são assim tão planos. Todas estas características ajudam a definir o “caracter” da lente e só passando muito tempo com ela–tal como acontece com a mulher amada–é que se consegue perceber toda a sua riqueza e nuances.

A AFS 35mm f1.8G desenha a realidade de uma forma moderna. As imagens têm bastante acuidade–melhor ainda se o diagrama for fechado 1 ou 2 stops–têm um contraste claramente suficiente (até em excesso para alguém habituado ao desenhar de lentes mais antigas, coisa que o japoneses adoram) e é rápida e silenciosa no funcionamento–algo que a torna uma beleza em street photography. Ao preço que se pode encontrar à venda é uma pechincha que tenho vivamente que recomendar.

MEA CULPA, MEA CULPA. Que bela lente.

Is the Canon EOS M5 a danger to Nikon?

And here we have the Canon EOS M5

canon-eos-m5

It took Canon 4 iterations of the M camera to make finally something that on paper looks a great camera. Four, because There is no Canon EOS M4 as number 4 brings bad luck in Japan — It sounds like the word for death. Had Canon failed (again) and I wouldn’t be worrying about Nikon. The problem is if Canon succeeds with this camera. Then, I don’t know what Nikon will do with their 1 series. Nikon small 1-inch sensor cameras fall just in no man’s land, between compacts and proper APS/full frame sensors.

There are two or three things that I like about this Canon EOS M5. The dual focusing pixels, that allow fast focus, are one. They bring the best of the two worlds with phase detect and contrast based focusing. I also think that Canon EOS M5 sensor will please many Canon fans. Canon produces their own sensors and with Sony, they dominate the digital camera world. This means users will get the same characteristics as in their main bodies. And finally, the in video 5-axis stabilization will allow this camera to be a travel photographers dream.

Nikon APS mirrorless cameras?

Nikon needs to convert the entry level DSLR D3xxx series (with a D3400 just announced pre-Photokina) into a mirrorless camera. Make it in a way that it uses the same sensor and same technology of the lineup, but remove the mirror. Start by trimming the body to a mirrorless shape, create a couple of good lenses for the system, and give an adapter for the existing lenses. That would be a great way for Nikon to (re)enter the mirrorless camera market.

In a time when the Canon EOS M5 might start annoying some executives at Nikon headquarters, they need to reshuffle. Canon has the EOS M5, time for Nikon to play ball.

A final Portugal-França — a Vitória!

Não há muito a dizer neste último comentário. Apenas que GANHAMOS E SOMOS CAMPEÕES EUROPEUS. Mas ainda assim algumas notas:

  • Como tinha pensado na última entrada, o cansaço acumulado da selecção francesa foi determinante. Fernando Santos acabou por fazer uma gestão dos minutos que ajudou Portugal (apesar dos 3 prolongamentos) a ter mais frescura física.
  • A França não joga nada. Ou pelo menos não foi tão equipa como Portugal. Os momentos franceses resultaram de acções individuais. Arrancadas possantes do meio campo e pouco mais. Houve muito pouco jogo colectivo na França — muito por culpa da forma de jogar portuguesa e o mérito é do Fernando Santos. Por outro lado a violência dos jogadores franceses faz lembrar os “Panzers” de uma Alemanha que já não joga assim. O futebol francês precisa reinventar-se em vez de seguir estes caminhos. E resta ainda saber que falta fez Benzema? Mas não vou meter a foice em seara alheia. Azar o deles, proveito o nosso.
  • Há uma pequena farpa para lançar ainda “E tu Leo? E tu Zlatan?”
  • Fernando Santos. Casmurro, teimoso, mas acima de tudo muito inteligente. E se é claro que por vezes eu gostaria de ver a selecção a jogar de outra forma, ele sabe levar a água ao seu moinho. Não estaríamos certamente à espera de ver Portugal a jogar de forma autoritária como a Alemanha pois não? Fernando Santos sabe o que queria fazer e conseguiu-o. Portugal tem agora uma equipa e uma identidade. Trabalhadora, solidária e honesta. Pode não ser bonita, pode não marcar muitos golos, mas deixou de ser Cristiano e mais 10. Só por isso valeu a pena. Agora com o título valeu muito mais.
  • E por fim, àqueles que foram lendo estes comentários, obrigado pela paciência e

SOMOS CAMPEÕES EUROPEUS

A final Portugal-França — O Cansaço!

Minutos Jogados por Portugal e pela França

Um dos factores que muito se tem falado tem a ver com o cansaço do jogadores. Será que vai ser um factor decisivo na final do Europeu? A verdade é que Portugal e França são muito semelhantes na utilização de jogadores neste Europeu 2016 (com algumas diferenças).

Portugal tem 3 jogadores com mais minutos nas pernas que a França — Cristiano Ronaldo, Rui Patrício e Nani — por fruto dos dois prolongamentos, mas entre as posições 4–10 of jogadores franceses tem mais minutos nas pernas. A partir daqui novamente Portugal volta a ter jogadores com mais minutos que a França.

A figura mostra que apesar dos dois prolongamentos há um gestão mais alargada dos minutos da selecção nacional. Em parte por causa das lesões e outra pela procura do Fernando Santos em encontrar um 11 estável. Moutinho começou e saiu, Renato entrou. Ricardo Carvalho deu o lugar ao José Fonte. E ainda há os casos dos laterais e dos trincos. Enfim, a selecção nacional foi sofrendo ao longo do europeu uma série de ajustes.

Por outro lado a França tem uma equipa mais regular, sendo que a rotação de jogadores não é tão pronunciada. Poderá ser uma vantagem para nós, mas a gestão dos minutos terá que ser bem feita, até porque o Cristiano e o Nani estão com muitos minutos nas pernas.

Já agora a grande surpresa desta análise é o Quaresma. O Mustang tem apenas 191 minutos e atrás dele só estão o Bruno Alves (90), o Éder (13) e o Rafa Silva (1). Dá que PENSAR! Talvez possa ser uma boa ARMA QUASE SECRETA para a Final.

Graphene Batteries. Maybe the future?

I’ve been a bit sceptic about electric cars getting massive adoption in the next few years because of the battery technology. I believe that you’ll need at least a 10 fold increase in capacity per litter and cost before you’ll see massive adoption of the electric car. And politicians forcing electric cars on us won’t work either.

If you look at the electric car, the limiting factor — or the critical factor if you prefer — is the power source. How to store and charge the batteries. Until now, if you really wanted to be a good boy scout, as an early adopter you would be waiting at least 30 minutes for a 80% charge. This is not going to cut it in a world where fueling takes 2 minutes at the petrol station.

Now, researchers at UCLA announced that they developed a new kind of battery. It is made of Graphene. And it charges much faster than anything previously invented. The technology would allow a MacBook Pro to charge in just 30 second. AMAZING.

Graphene batteries?

Graphene batteries are just around the corner. They are more powerful, charge faster, and hopefully are stable enough to enter mass production. Graphene is the wonder material of the XXI century. Graphene is a honeycomb lattice structure of carbon atoms bond together. It is like a sheet of carbon atoms. When graphene is then added to the electrodes of batteries it improves their functioning, because of its structural properties, density and electrical conductivity.

Now they’ve made this announcement and are basically looking for funding. I haven’t read the publications they produced, and this might end up being an hoax. Or, due to some technical impossibility impossible to market. They naturally sell it beautifully and being all marvels in the elevator pitch but globally there are many hurdles before such a wonderful super-capacitor could be in the market.

Quando se ganha é mais difícil dizer mal…

E mesmo vencendo é sempre possível melhorar. A selecção continua a mostrar alguma fraqueza, principalmente no toca a controlar o meio campo, mas se a solidariedade defensiva é notória o ataque é manifestamente parco.

Uns dirão que é defeito outros que é feitio do Fernando Santos. Solidez e depois logo se vê o que se conquista. Talvez o Fernando Santos esteja correcto e uma selecção, não sendo um clube e não tendo o tempo de preparação que os clubes têm, talvez deva ser isto mesmo, uma solidez defensiva onde o que se puder construir ofensivamente virá com o tempo — E talvez por isso a selecção esteja a jogar melhor a cada jogo que passa.

Por falar em solidez, no meio campo gostei de ver o Danilo que acho ser melhor que o William Carvalho e continuo a achar que o João Mário podia ser 10x melhor do que ê se trabalhasse mais e fosse um pouco mais humilde.

A nossa defesa foi um susto que não se concretizou, até porque o Bruno Alves não partiu a cabeça a ninguém e consegui não se expulsar — só isso vale logo pontos. Continuo a dizer que este Raphael Guerreiro é do melhor que lá temos neste europeu e o Cédric também cumpriu, muito embora alguém lhe deva dizer que chutar a 40m da baliza é só para o CR7 e que nem assim tem funcionado.

E no ataque, vi um Cristiano mais solto e veloz que nos primeiros jogos. Com mais mobilidade e energia, o que de certa forma justifica o seu melhor rendimento. O Nani… pois. A impulsão do Cristiano é simplesmente brutal.

Suplentes de luxo. Até o Moutinho ajudou (se bem que continua a estar muito bem no banco para a final). E o Quaresma está um senhor.


 

Por fim, Alemanha ou França para logo à noite? Indiferente. Seja quem for que chegue já se sabe que se fizerem um penaltie sobre um jogador português o árbitro vai marcar ao contrário, que se a bola entrar, o golo vai ser anulado. Para uma equipa que não joga nada os árbitros tem andado muito preocupados em garantir que Portugal não joga mesmo nada. Mas “sonhar é grátis”. Até Domingo!