Sexo no Second Life

Sexo no Second Life é o motor da plataforma?

Sexo no Second Life é o motor da plataforma?

Escrevi um artigo sobre o Second Life onde retratei a frustração que é tentar participar de uma comunidade cujo funcionamento está tão desajustado daquilo que estamos à espera e principalmente onde depois de o compreendermos percebemos que o seu moto se resume a uma maquinal acção de gastar dinheiro.

Curiosamente entre os comentários dos leitores do SPP houve bastantes que concordaram com a minha opinião. Parece que a frustração com o Second Life é enorme. O Levi Figueira lembrou um aspecto que na altura não pareceu importante, mas que depois de pensar um pouco, faz bastante sentido: Sexo. O eMatch como o Levi lhe chama, é fundamental para o sucesso do Second Life, quer como negócio de acessórios, quer para a própria satisfação dos utilizadores.

Olhando para o artigo que o Levi escreveu em Agosto sobre o SL, tenho que concordar que tal como o IRC era ponto de encontro para o sexo virtual (mais tarde foi o ICQ), talvez hoje o Second Life seja a Playboy dos tempos modernos. O local onde as nossas fantasias possam ser concretizadas com o consentimento do anonimato digital.

Esta vertente do Second Life passou-me despercebida pela simples razão que não foi em momento algum premissa para a minha experimentação do SL. Quando lá fui procurava outra coisa: A tal realidade virtual anunciada com pompa e circunstância, que quando comparada com outras deixa muito a desejar. O seu sucesso baseia-se nessa política/negócio de sexo que fomenta o desejo, permite suportar a falta de qualidade dos cenários e aturar a falta de gosto dos utilizadores.

Mas tem um modelo de negócio e tal como na realidade a indústria do sexo é quem acaba por decidir, mesmo que involuntariamente, o sucesso e o fracasso de um produto.

Ver também: Second Life é um banco de teste Second Life: A nossa vida pimbaa

  2007/10/04 5:10 PM Follow @sixhat